Mais do que um carro, um futuro

Posted on Posted in Política Automotiva

Jefferson José da Conceição (jeffdacsenior@gmail.com)

New Fiesta é a certeza na manutenção da Ford em São Bernardo

O anunciado investimento da Ford na planta de São Bernardo reveste-se de importância para o ABCD e o Brasil. Mais do que um veículo novo (o New Fiesta), o que está em jogo é a inclusão desta fábrica na estratégia global da empresa. Há agora um horizonte. Os investimentos serão superiores a R$ 1,2 bilhão (R$ 800 milhões na produção de automóveis; R$ 450 milhões em caminhões). Serão centenas de novos postos de trabalho até 2014.

Os investimentos ganham maior relevância ainda, sabendo-se dos riscos que a fábrica correu ao longo da década de 1990 e início dos anos 2000. Aquele momento de desestruturação industrial foi marcado por tensões. Lembremo-nos da greve dos “golas vermelhas” na Ford em 1990, com a paralisação de 900 trabalhadores da ferramentaria e manutenção ou do protesto “FHC não rima com ABC”, na visita do então presidente da República à fábrica em 1997.

O amadurecimento das relações entre a Ford, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e a Representação Interna dos Empregados foi fundamental para o enfrentamento daqueles tempos difíceis. Exemplo desse avanço ocorreu ao final de 1998, início de 1999. Na véspera do Natal, a empresa demitiu, por carta, 2,8 mil trabalhadores (41% do total). O sindicato e a representação interna orientaram os trabalhadores (demitidos ou não) a vestir o uniforme e entrar na fábrica para trabalhar. A empresa reconheceu o simbolismo deste ato, suspendeu as demissões e aceitou um acordo de lay off (suspensão dos contratos, mas sem a rescisão). Os empregados ficariam 19 meses realizando cursos, recebendo, porém, salário integral.

Empresa e lideranças sindicais têm inovado nas relações de trabalho. Foi assim em 1995, quando ocorreu o acordo para redução da jornada sem redução de salários, de 44h para 42h (e hoje 40 horas) semanais em média, em troca da flexibilização da jornada e do banco de horas.


A maturidade fez com que, ao longo de 2011, empresa, sindicato e representação interna negociassem as condições para viabilizar os investimentos do New Fiesta. Foram criados mecanismos aceitáveis pelos quais o custo unitário da produção do veículo pudesse, até o final de 2015, aproximar-se do custo mexicano (a planta de São Bernardo disputou com a planta do México os investimentos). O sindicato e a representação interna são corresponsáveis pela vinda deste investimento.

A partir do governo Lula, e agora com a presidente Dilma, o ambiente de amadurecimento passou a ser facilitado e potencializado. A indústria foi valorizada como fonte geradora de produção, empregos e tecnologia. Prova disso são as imensas possibilidades abertas pelo novo Regime Automotivo Brasileiro, o “Inovar Auto”. A Região, liderada pelo prefeito Marinho (um dos artífices dos históricos acordos na Ford), está atenta a este novo quadro. Os APLs de ferramentaria e de autopeças atestam isto.


Parabéns a todos os que contribuíram para que a Região se tornasse um celeiro de acordos inovadores, como este realizado na Ford em São Bernardo.


Jeferson José da Conceição é secretário de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo de São Bernardo

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *